sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Blog de viagens? Fórum? Que raio é isso??


            Em algum momento da vida, a gente toma uma decisão ou faz alguma coisa que se arrepende depois.  Eu ouvi a Madonna dizer que ela se arrepende de ter gravado “Material Girl” Nas palavras dela: “Se eu soubesse que as pessoas iam me chamar até hoje de “material girl’ eu nunca teria escrito e gravado essa música. A gente não sabe se uma decisão que tomamos vai nos perseguir o resto da vida...” Como eu não sou a Madonna, coloco já um fim naquilo que me persegue antes que isso seja impossível, porque já está virando uma bola de neve.
             Tomar decisões e se arrepender depois acontece com todas as pessoas e esse post talvez tenha dois objetivos. Primeiramente um desabafo e também uma maneira de alertar os leitores a algumas decisões tomadas na semana passada. Acontece que eu tenho recebido, em média, 30 a 40 comentários por dia. Eu lembro quando comecei o blog e ficava tão feliz quando tinha um comentário! Claro que fico muito contente com os comentários, os relatos de pessoas que foram muito ajudadas com as informações do blog, os agradecimentos, etc. Mas o leitor tem que concordar que quando se recebe comentários perguntando como é o clima de Orlando todos os dias, isso irrita está criando algumas rugas na minha testa. Eu entendo que essa é uma dúvida pertinente e precisa-se levar em consideração quando se planeja uma viagem. No entanto, eu já respondi essa pergunta, pelo menos umas 100 vezes, sem exagero. O pior de tudo é que essa é uma informação facílima de se conseguir, graças ao nosso indispensável amigo de todos os dias, o Google. Digitando “clima em Orlando” no Google brasileiro, encontra-se 9 milhões e 50 mil resultados. Mas parece que é mais fácil perguntar para o Renato. É mais fácil também perguntar para o Renato, do que ler as perguntas e as respostas dos comentários. Dá muito trabalho ler...Alguns ainda me dizem: "Olha, você PODE me dar a resposta por email ok? (porque é um saco vir aqui ver se você me respondeu...)
          Mesmo depois de eu ter criado a página no início do blog entitulada “clima” ainda as pessoas me perguntam. Saiba que eu não me chateio ou coisa assim (mentira!!). Eu só não tenho mais energias para responder 10 comentários em um só dia sobre o clima de Orlando. Eu não sou meteorologista! Mas não é só isso, outra coisa acontece e é aqui que me identifiquei com a “Material Girl” (ops desculpe aí Madonna).
            Desde que escrevi o post “Os melhores Parques de Orlando”  este post está causando-me queda de cabelos (os poucos que restaram, os heróis da resistência...), rugas e dores no estômago. Se não leu este post, saiba que ali eu coletei todos os parques temáticos de Orlando e coloquei descrição de cada um com fotos. Além disso ainda coloquei quais são os meus favoritos e o que eu escolheria se tivesse que visitar somente 3, ou somente 5, ou somente 7 e qual a ordem que eu faria. Porém “TODOS OS DIAS” recebo comentários com perguntas assim (o que me leva a crer que a pessoa não leu o post e os comentários):

Que parques você recomenda? (citado no post)
Só posso visitar 3 parques, qual devo ir? (citado no post)

Só posso visitar 5 parques, qual devo ir? (citado no post)
Só posso visitar 7 parques, qual devo ir? (citado no post)

(eu não estou brincando!)
Onde tem atração de golfinhos? (citado no post)
Qual é o seu preferido? (citado no post)
Desejo” saber os horários dos parques e os preços dos ingressos e formas de pagamento. (Cê tá brincando comigo né?)
Como é a temperatura em _____. Chove muito? Que roupas devo levar?
Qual o tempo de validade dos ingressos? (Olha no site do parque NÉ??)
Os parques ficam cheios na segunda quinzena de Setembro? (E como é que eu vou saber?????)
O que você acha da minha programação? (respondi que achei ruim e expliquei porque) Ah mas infelizmente não vai dar pra mudar porque é isso o que decidimos... (E porque perguntou???)
E eu vou parar por aqui. O post já tem 197 comentários respondidos. Quando chegar ao 200 eu prometo que darei um presente para o número 200. O motivo é que, após 200 o blogger trava e não é mais possível visualizar o comentário nem mesmo a resposta.
O mesmo tem acontecido com a página compras. Na página compras eu explico onde o americano compra, a diferença entre Miami e Orlando, Shopping e loja de rua e onde comprar. Novamente as mesmas perguntas:
É melhor comprar em Miami ou Orlando? (citado no post)
O Shopping é mais caro? (citado no post)
Que loja você recomenda? (EU JÁ ESCREVI NO POST!!!!!)
Onde eu encontro Polo, Tommy, MK, Guess, Nike, Rebook, Adidas, Levi’s, Aberkrombie (...) e o endereço das lojas? Ah, se possível poderia me dar a latitude e longitude também? (claro, quer também um litro do meu sangue?). Essa da latitude e longitude foi a gota d'água!
         Parece que é da natureza do ser humano querer as coisas mastigadas, não é? A gente corta a banana em pedacinhos, mas a pessoa prefere mesmo é banana esmagadinha porque dá trabalho mastigar.
         O leitor está entendendo o que eu estou tentando dizer? Concorda comigo?
        O objetivo deste blog é mostrar como é a vida de um estudante brasileiro nos EUA. As dificuldades, os mitos, as verdades e as mentiras. Eu nunca tive por objetivo transformar o Um Brasileiro na Terra do Tio Sam em um blog de viagens e esses dois posts estão me perseguindo assim como a canção Material Girl está perseguindo a Madonna.
        Por esse motivo decidi que não é necessário mais que 200 respostas para cada post. Não responderei mais perguntas sobre compras e sobre parques. Existem sites de discussões e trocas de experiência fantásticos como o Viajando para Orlando. Alí sim, é um site de viagens e pode-se encontrar resposta para quase tudo que diz respeito a turismo em Orlando. Só tem que procurar.
      Vou seguir postando sobre a vida nos EUA mas tomarei muito cuidado daqui pra frente, quando escrever sobre turismo em Orlando, Miami ou seja lá o que for.
        Agradeço a paciência em ler este imenso e choramingoso post e se alguém se ofendeu com o que eu escrevi, não pedirei desculpas porque, como educador (que já fui por muitos anos) acredito que algumas pessoas precisam ouvir certas coisas e re-avaliar seus conceitos e posturas. Eu gostaria muito se alguém, com sinceridade e honestidade, me dissesse de graça coisas que eu preciso ouvir. Eu paguei caro pra ouvir verdades por muito tempo. Sabe quanto custa uma psicóloga em São Paulo? Multiplique esse valor por 4 vezes ao mês, por 12 meses e depois por 5 anos. Esse foi o dinheiro que eu paguei pra ouvir verdades que eu estou escrevendo de graça aqui pra quem tiver a humildade de ouvir.
Um abraço a todos!!

A última:
Post: C-O-M-O Calcular o Valor que Preciso Levar em uma Viagem ao Exterior?
Pergunta mais repetida:
Quanto dinheiro devo levar para os EUA????

%$#$%%$##@!!!@@!#$$^^&**(())_+)^#!~~!@!!!

:P

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Nota aos Leitores

Nos últimos 3 dias tenho estado ocupado com turistas e muitos trabalhos da faculdade. Em apenas 3 dias recebi 50 comentários em diversos posts e muitos deles incluem perguntas. Se seu comentário não foi respondido, aguarde que até domingo responderei a todos.
Abs

Renato

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Como Abastecer o Carro nos EUA



          A primeira vez que eu abasteci o carro sozinho nos EUA foi em 1997 quando fui visitar um amigo, John Sullivan, na pequena cidade de Templetown, Califórnia. Naquela época ele tinha uma Ford mini-van. Foi a primeira vez que dirigi um carro automático também. Eu me lembro que me perdi, peguei uma estrada que ia para o deserto, dirigi uns 30 min e notei que o tanque de gasolina estava na reserva. Só conseguia pensar no filme Breakdown, onde o Kurt Russel e sua esposa são vítimas de uma quadrilha ao abastecer o carro em um posto no meio do deserto. Parei em um posto isolado, sem loja de conveniência, sem funcinários, só eu, o posto e os cactus...tive muito medo. Tive também, dificuldade de abrir o tanque da Van, operar a máquina, etc. Imagine você, com 22 anos, sozinho, no meio do deserto, sem falar muito bem a língua, com uma carro prestes a acabar a gasolina, sem celular e com as imagens dos bandidos de “Breakdown” na mente?

Cena do filme Breakdown - exatamente como a estrada
em que eu me perdi na Califórina.


        Eis uma diferença entre Brasil e EUA. No Brasil, temos os frentistas que atendem os clientes do posto. Pegam a chave, abrem o tanque, abastecem o carro, limpam os vidros e podem até calibrar os pneus. Além de checar o óleo, a água, etc. E nos EUA, não é assim? Não. Aqui cada um faz por si mesmo. É interessante ver uma senhora de 80 anos sair do carro, abrir o tanque, colocar a bomba no tanque, ativar a trava e começar a lavar os vidros do carro com aquele bastão longo que os frentistas têm no Brasil. Eu fico só olhando...
        Alguns acham que deve ser muito difícil, outros que é fácil. A verdade é que é fácil, mas pode dar uma complicadinha. Se tem alguém que é mestre em se meter em algumas situações difíceis, esse sou eu. Comigo é assim, se há alguma probabilidade de algo sair errado, no meu caso não é probabilidade, é fato. Vou citar algumas situações. Vou tentar escrever um passo a passo e mostrarei onde foi que eu escorreguei na casca da banana, chutei o balde e corri atrás da melancia.

No Brasil
Nos EUA
Um exemplo de parar do lado errado da abertura
do tanque. Sorte dele que a mangueira chegou...

Estacione o carro em frente à bomba. Certifique-se de que lado do carro é a abertura do tanque. Believe me, a pior coisa é parar o carro com o tanque do outro lado e a mangueira não ser suficientemente longa para alcançar o tanque. Com outras pessoas te obeservando é Mico total...e como eu sei? Hummm 

Desligue o carro, tire a chave do contato e abra o tanque de combustível. Parece simples e óbvio, mas não é. Eu não sei como aconteceu, mas como meu carro abre o tanque de gasolina sem chave, eu deixava a chave no contato. E não é que um dia o carro se trancou sozinho, com celular e tudo dentro dele? E não é que eu não tenho memorizado nenhum número de telefone de alguém por aqui? E não é que a chave da casa também estava dentro do carro? E não é que o cartão do seguro (onde tem o telefone de um chaveiro) estava na minha carteira dentro do carro? Eu fiquei por alguns instantes pensando se aquilo estava mesmo acontecendo, se era um sonho (ou pesadelo) e porque comigo. Passei também uns instantes olhando para o ar pensando no que fazer. Falei com o dono do posto e ele chamou um chaveiro que me custou 50 dólares :@

       Abrir o tanque primeiro parece conselho de retardado, mas novamente te digo, não é. Quando não se está acostumado a fazer isso, o medo a ansiedade de lidar com a bomba malvada faz a gente esquecer de um monte de coisas. Eu já labutei com a máquina por alguns minutos, pelejei pra tirar a bomba da máquina e quando me viro? O tanque fechado, chave no contato. E o quê fazer? Coloco a mangueira de volta? Não vai cancelar a compra? Ponho a mangueira no chão?? Em cima do carro? O que eu faço??? Vai vazar? Vai explodir?? Portanto, ABRA O TANQUE ANTES DE LIDAR COM A BOMBA.

         Mas antes de abastecer tem que pagar...Se for pagar com cartões na bomba, abra o tanque primeiro. Se for pagar em dinheiro, precisará entrar na loja de conveniência. Quando se dirigir ao funcionário é só dizer: “Can I have thirty dollars of gas on number 3, please?” (ao pé da letra: Posso ter 30 dólares de gasolina na número 3 por favor?)
Já vi alguns dizerem “30 dollars, number 2”. E “please” que é bom... (o que eu acho rude), mas o funcionário entende perfeitamente. ATENÇÃO: Lembre-se de ver qual o número da bomba que você estacionou e se lembre que, CADA LADO DA BOMBA TEM UM NÚMERO DIFERENTE, pois abastece um carro de cada lado. E eu?


          Parei o carro do lado direito da bomba. Me dirigi à loja que ficava do lado esquerdo à bomba. Esqueci de ver qual número dela. De lá de dentro eu via a bomba, e meu carro atrás dela. O número que eu enxergava era 1, mas como meu carro estava do outro lado, o correto era 2. Pedi gasolina ao que ele disse “que número?” e eu... “número?? Que número?” “O número da bomba Senhor?” “Ah... número...número(olhei para o carro)....1!” Chegando lá, é óbvio que não funcionou e eu não entendia porque. Voltei ao funcionário e paguei mais alguns micos, ao que ele me disse que eu deveria mover o carro para a bomba número 1. “Meu Deus, porque eu???”
Agora que o carro está no lugar certo, tanque aberto, vamos à bomba.

Cada lado da bomba tem um número

      Efetue a compra da gasolina. Alguns dos meus cartões de crédito do Brasil não são aceitos na bomba e eu não descobri o motivo. Na bomba só o American Express funciona. Se não funcionar, dirija-se à loja de conveniência e pague a gasolina no balcão com dinheiro ou cartão.

             Insira e retire rapidamente o cartão, digite o CEP de onde a correspondência do cartão vai, NO BRASIL. Por exemplo, se seu CEP é 05015-000 digite somente 05015 e digite ENTER.

          Escolha qual gasolina deseja. Geralmente há 3 tipos de gasolina com preços diferentes. Aperte o botão ANTES DE TIRAR A MANGUEIRA DA BOMBA. Olhe no painel. Depois de apertar o botão da gasolina “regular” por exemplo, no painel (pequeno visor), vai estar escrito “Began to fill” (comece abastecer).
ÊÊÊÊ a primeira vez você nunca esquece hehehe

Selecione a gasolina que quer apertando os botões 87, 93 ou 89.

          Se quiser encher o tanque a bomba tem uma trava que facilmente você descobre como funciona. Deixe abastecendo sozinho e vá lavar os vidros, dar uma olhada na água ou fazer outra coisa. A bomba desligará sozinha quando o tanque encher.

Nesta foto dá pra ver a pequena trava acionada

     Coloque a mangueira de volta na bomba. No visor aparecerá “Do you want a receipt? YES or NO” (você quer recibo? Sim ou não). Agora isso é muito importante: Se você quiser o recibo aperte SIM, se não, aperte NÃO. Dãaaa
Ao pegar o recibo há algo interessante a notar. Olhe no recibo e perceba que o campo TAX está preenchido assim: TAX = 0.00. Isso mesmo, nos EUA não se paga impostos pela gasolina. No Brasil pagamos mais de 50% de impostos por um litro de gasolina. Ontem, 17-02-2012 paguei 3.65 dólares por um galão (3,6 litros) de gasolina. Enchi o tanque com 45 dólares. Em 2009, enchia o tanque com 25 dólares :(

Feche o tanque de gasolina!! Acredite, alguns esquecem. Comigo nunca aconteceu... Ao sair do posto de gasolina perceba que os americanos dirigem muito devagar em lugares onde há pessoas transitando à pé. Não faça como muitos fazem no Brasil, saem do post à toda velocidade...

        Não fume e não fale ao celular quando estiver abastecendo. Fumar só se for retardado ou suicida, mas ao telefone, sei lá. Não sei se é mito, lenda urbana ou o quê. Eu não arrisco.
Abestada!

        Aqui na Flórida não é proibido falar ao telefone celular quando dirige e vê-se MUITA gente dirigindo e falando no telefon, muito além do normal. Outro dia eu estava parado no farol eu contei 13 carros seguidos com pessoas falando no telefone!! Impressionante.
       A pessoa não é multada, mas se bater enquanto falava ao celular, aí vai estar em sérios apuros...Portanto se cuide! O Robert é uma piada.... Ele grita com as pessoas no trânsito que falam no celular. Cinco minutos depois, dirigindo, o telefone dele toca, ele atende e fica falando...
E eu posso com isso??
        Última dica: Mantenha seu carro limpo. A maioria dos carros aqui são muito limpos mas não é esse o motivo do meu conselho. Depois de você tomar banho para sair de casa, passar perfume, colocar uma roupa bonita, vai abastecer e ao abrir seu tanque de gasolina no carro imundo você sujas as mãos e não tem pia pra te salvar. Usar o banheiro do posto de gasolina é, no mínimo desagradável. Tem até guardanapos de papel na própria bomba, mas não adianta muito. Papel seco ajuda mas não limpa. Eu guardo no porta luvas alguns lenços molhados em caso de eu sujar as mãos. Porque, como tenho TOC não suporto minha mão suja e tenho ataques de ansiedade... hehehe

Em um futuro bem próximo, robôs abastecerão os carros...
E só para complementar:
1 galão de gasolina em 17-02-2012 = US$ 3.67
1 galão = 3.79 litros

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Adeus Whitney Houston


          Ontem à noite, voltando do show do B-52's eu ouvi a notícia da morte de Whitney Houston. Eu particularmente fiquei muito chateado com a morte da cantora. Boa parte da minha adolescência passei escutando as músicas dela nas rádios no Brasil,  aguardando que a TV falasse alguma coisa sobre ela ou que o Fantástico passasse algum vídeo clipe da nova canção. Depois que tínhamos a MTV (que naquela época a programação era musical) podíamos ver Whitney Houston sempre na TV.
          Eu me lembro de tê-la visto cantando “One Moment in Time” ao vivo na entrega do Grammy e fiquei simplesmente abismado com a potente voz. Também no Live Aid Africa, lembro de ter ficado decepcionado por ela ter cantado “Didn’t We Almost Have it All” diferente da versão de Studio.
          Hoje não se fala em outra coisa por aqui. As pessoas estão muito chateadas e chocadas com a sua morte, da maneira que aconteceu, aos 48 anos de idade. Todos dizem “Whitney se foi, descanse em paz...” Mas eu digo que a Whitney que a gente conheceu nos anos 80 e 90 já tinha ido há muito tempo. Eu não me lembro de ter ouvido praticamente nada sobre ela no Brasil desde 2000. Aqui nos EUA foi um pouco diferente.
          A vida atribulada que a cantora vinha levando desde o final dos anos 90 sempre esteve presente na mídia. Fotos da Whitney drogada e decadente estamparam a capa dos tablóides por anos a fio. Problemas com a polícia, prisão em aeroporto, comportamento agressivo e outras coisas acabaram com a imagem da garota de ouro da indústria da música americana. Eu fiquei chocado com as fotos que vi na internet mostrando Whitney acabada pelas drogas. 




inacreditável... :(


Algumas fotos foram feitas por Paparazzis quando ela estava
em clínicas de recuperação :(





         Em 2009, ainda no Brasil vi a entrevista que ela deu pra Opra e ela parecia saudável e recuperada. Fiquei contente. Chegando aqui, logo após ela iniciar sua turnê mundial, só se ouvia comentários negativos de como ela perdeu a voz e a beleza e como as pessoas estavam abandonando os shows logo após o princípio. Triste... 
          Vendo alguns vídeos no Youtube, não tem como não perceber que ela realmente perdeu a voz. Em seu último álbum, no vídeo “I Look to You” dá pra ver que a voz dela mudou completamente e as “high notes” não eram mais possíveis para ela.

Compare estes dois vídeos e você verá o que eu estou falando...

 One Moment in Time  - Grammy 1989

I Look to You - 2009
A voz lembra a da tia Dionne Warwick

        Hoje ouvi Gladys knight falar que uma voz (mais o rosto e corpo) como o dela não mais aparecerão nesta geração. “Claro que não”, pensei. As pessoas são únicas. Mas entendi o que ela quis dizer. Talvez nessa geração não aparecerá uma negra tão linda, com voz espetacular que vai encantar o mundo inteiro...


           Eu acho que nós brasileiros desculpamos muito mais o comportamento dos nossos artistas do que os americanos. Por exemplo, desde que cheguei, nunca ouvi um comentário positivo sobre Madonna, Mariah Carey e Whitney Houston. As duas primeiras são taxadas de “White trash” enquanto Whitney as pessoas chamam de “louca drogada”. Até um tempo atrás eu disse para o Robert “você devia se orgulhar de estes símbolos da música são da sua nacionalidade” e ele disse “I don’t give a shit!”. Nisso vejo um pouco do falso puritanismo americano. Um escândalo envolvendo drogas ou sexo pode acabar com a carreira de décadas de um artista, esportista (como Tiger Woods) ou de um político (desde que cheguei, 3 políticos tiveram a carreira encerrada por escândalo sexual). Enquanto na vida privada, qualquer um faz o que bem quiser.Quando ele morre "Ai, estamos de luto..." Sei...

             A última aparição de Whitney Houston foi na última quinta feira quando ela foi a um bar e foi fotografada na saída, com o braço e joelhos sangrando e meio descabelada. Segundo se fala na TV, ela estaria presente na entrega do Grammy hoje à noite. Agora, tributos de improviso estão sendo adicionados à programação. Cantoras famosas prestarão homenagem a ela. Vai ser um Grammy de luto com certeza...

Na última quinta feira (será fuck you??)



sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

O que é “White Trash”?



www.whitetrashnation.net
           O termo White Trash (literalmente lixo branco) não é fácil de definir. Em primeiro lugar, trata-se de um termo pejorativo associado a pessoas brancas, pobres e de conduta questionável. Procurando no Google por imagens de White Trash a confusão faz-se maior. VIP’s como Britney Spears e outros famosos aparecem como White Trash. Então não se trata somente da questão financeira, mas também comportamento.



        O mais remoto relato do termo data de 1830, onde escravos negros americanos referiam-se a brancos pobres como White Trash. Hoje em dia, o termo é usado em uma infinidade de situações. Mas saiba que chamar alguém de White Trash é algo sério e além de ofender, pode arrumar uma baita briga.
 
           A primeira vez que eu ouvi esse termo foi aqui em casa. Em um dos feriados em que eu planejava fazer uma mega limpeza na casa para receber os parentes da Louise. O Robert disse: “Não se preocupe, eles são White Trash, nem vão perceber a limpeza”. O quê? Como assim?? Daí eu perguntei o que era White Trash ao que eles me explicaram que era um termo usado para pessoas brancas, pobres e sujas. De cara já não gostei de ele se referir à própria família como sendo White Trash. No feriado entendi um pouco o que ele queria dizer e vou explicar por que.
A irmã da Louise veio para o Thanksgiving (o feriado mais importante nos EUA) vestindo uma calça velha, manchada e uma camiseta que poucas mulheres no Brasil usariam para faxinar a casa. Os filhos, ambos vestidos como Rapers, com tatuagens, bonés, bermudas longas e tênis de cano alto, só falaram besteira o tempo todo. O esquisito é que eles têm por volta de 40 anos e tem filhos No entanto, se vestem como adolescentes. A namorada de um deles tem os dentes escuros, quase pretos. E a esposa do outro acompanhou o modelito da sogra. Fiquei olhando para a Louise toda arrumada em comparação com a irmã e sobrinhos. Os carros deles então era um desgosto de olhar. Eu me lembro do carro da avó do Bobby a primeira vez que fui visitar a Loretta com eles. Embora a Loretta tenha 90 anos, viva sozinha em uma casa super arrumada e sem empregada, seu carro antigo estava em ótimas condições. Ela deu o carro para a filha (irmã da Louise) porque não podia mais dirigir devido à idade e por estar doente. Quando a irmã da Louise veio aqui com o carro 2 meses depois, o carro parecia um caminhão de lixo. A avó do Robert ficou muito decepcionada com a maneira como a filha trata o presente. Depois do feriado o Robert me perguntou “Viu o que é White Trash?” e eu não respondi absolutamente nada.




          Nesses dois anos ouvi novamente o uso do termo algumas vezes. Alguns na escola, se referindo a outros alunos e aqui em casa também. Na TV passou uma propaganda daqueles shows de caminhonetes com rodas enormes que estraçalham carros menores em uma arena e o Robert disse “isso é atração de White Trash”. Programas de televisão onde as pessoas vão lavar roupa suja e acaba em pancadaria é considerado programa de White Trash (embora o Robert assista e se mate de rir...). Pensando nisso White Trash pode ser brega também? Não sei...





          Há certo preconceito contra White Trashs. Muitos os consideram rebeldes, imprevisíveis, perigosos e metidos com algo ilegal. Mas como os americanos têm bom humor, há também festas “White Trash” muito engraçadas, onde as pessoas se fantasiam com roupas como de quadrilha, dentes pintados de preto, mulheres grávidas de 9 meses fumando e bebendo e por aí vai. No Natal eu vi uma decoração em um jardim completamente brega, em um bairro de classe média baixa. Uns 200 itens de Natal espalhados pela grama, luzes, renas, duendes, tudo o que se pode imaginar. O Robert disse “White Trash definitivamente” Aff! 


Festas White Trash, será verdade?


          Algumas visitas do Brasil ensinaram ao Robert a palavra “gentalha” que se tornou a palavra preferida dele em português e que agora ele substitui por White Trash. Quer ver White Trash em operação? Vá ao Wal-Mart!! Veja algumas fotos que eu vi no site People of Wal-Mart.

No youtube tem um desenho engraçado sobre um Natal White Trash :)

E você, tem alguma experiência ou uma definição melhor para compartilhar conosco?
Abs!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Pijamas em Público



        Se tem uma coisa que eu admiro nos americanos é seu desprezo pela moda. Logicamente não estamos falando dos astros de TV e cinema, nem mesmo das super-modelos ou de qualquer outro VIP que se preza. Estamos falando mesmo é do americano comum, aquele que mora no subúrbio, frequenta o Walmart e não está nem aí para o que qualquer um pensa ou diga. O Robert, por exemplo, ia ao restaurante com a camisa polo manchada de cândida simplesmente porque ela "era" confortável. Pode uma coisa dessas?
          Para nossos padrões brasileiros seria inadmissível. No entanto, na escola onde eu trabalhava em São Paulo, não somente filha, mas também a filha da mãe vinham à escola de pijamas. Por isso a cara de horror quando a cordenadora nos contou na sala dos professores que mãe e filha andavam nas ruas de pijamas. Parecia que a mulher tinha é cometido um pecado mortal. As pessoas ainda disseram "Ai que nojo..." Pode?
             Pecado ou não, isso é o que eu observo. Já vi gente de pijamas no Walmart, na loja de conveniência aqui do bairro, no Winn Dixie e até passeando com o cachorro de manhã. Porque se tem uma coisa que o americano não se importa é com a opinião dos outros a seu respeito (acho digno sabia?). Percebi isso quando perguntei ao Robert "Você vai assim?" e ele disse "Claro, porque não?". "Sua camisa está manchada de cândida" e ele disse "So what???" (e daí?). Ininteligível para nós brasileiros e também para os italianos, que podem estar morrendo de dor mas não descem do salto. Lá sim você passa vergonha com seu tênis bamba sujo e com a sua japona de nylon.




        Esse jeito silly (bobo, meio ingênuo) tem um certo charme. Uma aura de superioridade, como quem está acima da opinião alheia. Eu admiro, olho e fico de boca aberta, pensando... Desleixo? Sujeira? Eu sei lá...só sei que tem que ter um pouco de coragem. Por isso, como não sou pessoa medrosa, resolvi tentar. Resolvi fazer uma experiência Não que eu vá aderir à moda, porque acho até meio anti-higiênico. Sai com a roupa na rua depois usa ela na cama? Comigo não...

        E não é que da minha experiência eu notei o seguinte. Além do fato de eu me sentir como estivesse completamente sem roupas e meio envergonhado, ninguém sequer notou a minha presença e sabe por quê? Por que é comum. Perguntei eu a moça que estava no caixa "As pessoas vêm sempre de pijamas aqui na loja?" e ela respondeu "Course! All the time..." (claro, toda hora). Ai ai ai 





         Claro que lista de nomes que os brasileiros dariam a esse tipo de comportamento não caberia em um só post, mas fala a verdade, não é pelo menos para aplaudir alguém que se veste como quer e que não está nem aí para a estúpida moda, para os outros e que está mesmo é preocupado com o conforto? E vamos combinar e disso você sabe bem: Conforto geralmente não combina muito com elegância (aplausos não valem para indescência que, na minha opinião, é falta de respeito para com o outro. Ninguém merece ver  as pelancas "as partes" de ninguém, principalmente crianças). E olha, não me provoca que o próximo post eu faço sobre a indescência das piriguetes no Walmart hein? Rá!

sem legendas...kkkk
        Pior que pijamas em público é o que eu ouvi outro dia de uma brasileira lá da escola: "Eu saio de pijama (sem s) e chineLA! Chinela é de matar...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...