quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Como Fazer Massa em Casa



        Quem lê o blog sabe que eu gosto de cozinhar. Infelizmente depois que se passa dos 40 anos de idade, não se pode mais comer da mesma maneira de quando se tinha 20. Os que o fazem não gostam muito de olhar no espelho. Por isso não faço tantas coisas como gostaria. Durante a semana tento fazer a comida mais simples possível. Salada, arroz, frango e legumes. Quase todos os dias. Daí nos finais de semana, quando não trabalho, o que é RARO hoje em dia, eu vou pra cozinha. Eu gosto mesmo de cozinhar, principalmente se for algo relacionado a forno. Mas aqui em casa, cozinhar às vezes se torna uma decepção. Sabe por quê? Eu faço um pudim maravilhoso, como poucas pessoas conseguem fazer e os integrantes da residência não comem. Eu como por volta de 1/4 dele e o resto vai pro lixo. Faço bolo de limão, laranja, maçãs, tortas, pão caseiro, pão italiano etc e estraga tudo. O Robert e a Louise preferem as porcarias cheias de conservantes do Publix. Os muffins, cookies, e outras coisas que duram meses nos balcões da cozinha sem estragar. Por isso gosto quando vem gente em casa, principalmente brasileiros, porque eles comem tudo o que se faz...e isso dá muito prazer a quem preparou, principalmente porque não sobra nada. Infelizmente, como a vida anda complicada, cada vez é mais difícil fazer amizades e as pessoas, principalmente com filhos não visitam ninguém a não ser a família, pelo menos é isso que eu percebo por essas bandas daqui. Você convida e as pessoas cancelam um ou dois dias antes do "evento".


Minhas peripécias culinarísticas...algumas delas.

         Depois de anos desejando um acessório para "pasta" (massa) para a minha Kitchen Aid, acabei, depois de muita insistência, ganhando um de aniversário no dia 27 de agosto. Claro que já marquei o dia de fazer a massa, mas estava com um pouco de medo. Será que ficaria bom? Assisti a vários vídeos do Youtube, tem ótimos. Eu gosto muito da Raíza, a brasileira que vive em Nova Yorque e tem um blog e canal no Youtube sobre culinária chamado Dulce Delight. Se eu morasse lá eu ia ser amigo dela, nem que ela não quisesse. Embora a especialidade dela seja os doces (eu acho?), ela tem muitas receitas salgadas e depois de ver o vídeo dela sobre massas, eu resolvi fazer. Pra Raíza tudo é fácil (pelo menos parece...) porque ela tem talento, por isso eu fui com cuidado. E não é que deu certo?


Eu escrevi sobre a minha Kitchen Aid neste post. Foram os melhores
199 dólares que eu gastei nos EUA. No Brasil sempre quis ter uma.
Mas custando 1600 a 2400 reais dá até raiva de comprar.
Batedeira com o primeiro acessório acoplado
Este faz as folhas que podem ser passadas nos outros acessórios
ou mesmo ser usada para lazanha. 

          Usei a receita do livro do Luca Manfé, vencedor do Master Chef, "My Italian Kitchen". Comprei o livro pois nele tem receitas italianas da família dele. Por enquanto só tentei a massa...




Aí vai a receita:

- 3 xícaras de farinha de trigo (mais um pouco para acertar a massa)
- 4 ovos + 2 gemas (usei orgânicos marrons que têm a gema mais amarela)
- 1 colher de café de sal
- 1 colher de sopa de azeite de oliva extra virgem

          Comecei na batedeira e terminei na mão, como indicação do Luca. Mas dá pra fazer com as mãos do começo ao fim. Dá mais trabalho, mas fica bom do mesmo jeito. Deixei a massa descansar por 30 minutos depois comecei a passar no primeiro aparelho que faz as folhas, depois passei no que corta o espaguete. Como não tinha comprado o secador de massa, coloquei duas caixas e uma longa colher de pau. À medida que ia cortando ia pendurando. Não que precise secar, mas precisa-se colocar em algum lugar. Se jogar em uma pequena tijela, como o peso, eles grudam um nos outros. Acredite...eu tentei e tive que passar tudo de novo nos aparelhos. Tenho certeza que certos segredos eu vou acabar aprendendo sozinho, como no caso do pudim, que eu fiz por volta de 50 vezes até atingir o título de "mestre" :)

Quem come diz que foi o melhor pudim que comeu na vida...tá?

É bom usar uma boa farinha. Da próxima vez irei
misturar com farinha de semolina, dizem que fica bom...




Esse pedacinho de massa dá para 4 pessoas
comer e repetir um prato de espagueti!

           Diferente da massa comprada no supermercado, a massa fresca demora 1 ou 2 minutos na água fervendo para chegar no ponto "al dente". Ficou, bom...mas tão bom, que eu já fiz mais umas 4 vezes desde então. Pra mim é terapeutico ficar na cozinha, mesmo que sozinho...Mas quando eu tiver uma cozinha enooorme, vou convidar as pessoas pra fazer a massa junto comigo. Vai ser aquele fuá não acha? Tente você também, mesmo que não tenha a máquina, nunca mais você vai comprar macarrão no supermercado que vem junto com ele, todas aquelas substâncias com nomes que a gente não consegue pronunciar e que não devem fazer nada bem. Depois de dois pratos, haja esteira, bicicleta e piscina ou você acha que eu me mantenho magro de ruindade? 







Este sem dúvida foi o melhor espaguete à bolonhesa que
eu comi na minha vida. Não conseguia parar de comer...


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Cheiro de Carro Novo é Cheiro de Cola!

     

    Esta semana eu troquei de carro. Eu não gosto de falar dessas coisas, porque sabe, no Brasil é pecado você comprar um bom carro ou um apartamento de frente pro mar. Porém, alguém fala parabéns no Facebook e os leitores já descobrem e QUEREM SABER. Daí me pedem para postar. OK OK.
          Mas antes que eu diga a marca e o modelo preciso dizer que foi uma experiência interessante. Fiquei um pouco pensativo com respeito à compra. Compro ou não? Mas eu preciso realmente? O Volvo não está bom? Na verdade, o Volvo estava ótimo! No entanto, às vezes, como levo os clientes aos condomínios, muitos vêm com as famílias e o Volvo era pequeno para levar  os pais, filhos e às vezes avós juntos. Outro fator é que como também trabalho com reformas e decoração, às vezes preciso colocar no carro uma cadeira ou uma mesa, como aconteceu outro dia na Ikea, e não cabia no Volvo. Aliado às 60 mil milhas (quase 100 mil km) do marcador do Volvo, decidi que era hora de trocar. Mesmo porque, eu trabalho muito e gasto pouco, então dá pra pagar...

          Por mim eu compraria um caminhão, um Jipe ou uma caminhonete Ford, Ranger, alguma dessas. Mas não acho que os clientes gostariam de andar de Jipe com teto de lona, não concorda? Se fosse eu, se meu corretor tivesse uma Mercedez, um Tesla ou mesmo uma Ferrari, eu adoraria. E não ficaria com inveja dele não. Sorte dele. Se comprou é porque trabalhou para isso. Se o dinheiro foi ganho honestamente, compre, mas é bom não esbanjar, pois como disse o Clodovil, "o dinheiro se vinga...!"

          Com esse pensamento, eu fiquei imaginando um carro legal para levar clientes e que me ajudasse a tocar meu Interior Design business. Alguns eram enormes, verdadeiros camburões, como a Infinity QX80. É linda, mas grande demais. Então na semana passada eu comecei a visitar as lojas de carros novos à procura de um semi-novo. Fiz um test drive em uma BMW X5 e em outras tantas SUVs. Fui até em Ocala ver uma BMW X5 com somente 28 mil milhas e quando liguei o carro, o painel indicava quase 50 mil milhas para um veículo 2012. Quando ao telefone, expliquei ao vendedor que não iria ficar com o carro por causa da alta milhagem ele desligou o telefone na minha cara, acredita? É, parece que a fama dos vendedores de carro ultrapassa as fronteiras. Colocar 28 mil milhas no anúncio quando na verdade o carro tem 50 mil é uma estratégia para trazer a pessoa até a loja. Viu como aqui também tem essa cambada?

Eu gosto muito da QX80 da infinity, mas é um verdadeiro camburão
Para uma família grande viajar deve ser uma delícia


          O fato é que depois conversando com um dos vendedores ele me mostrou que a diferença na prestação do novo para o usado era de somente 200 dólares. Eu só pagaria 200 dólares a mais em uma SUV 2015 por que carros novos têm incentivos do governo por poluírem menos e também juros mais baixos. Resolvi então comprar uma SUV 2015 embora havia repetido para mim várias vezes que não compraria carro Zero pelo fato de que desvaloriza muito. Fui na agência, a Audi...olhei, olhei, olhei...até que o vendedor simpático da Audi South Orlando Zach DesOrmeaux me convidou para fazer o test drive. Fiz o test drive de um quarteirão e disse a ele, "é esse mesmo". Ao que ele perguntou "fácil assim Renato?" Amigo, eu não tenho tempo a perder...enquanto eu estou aqui passeando com você minha caixa de email enche e eu, ao chegar em casa, terei pelo menos 30-40 emails para responder. Vamos embora com isso! Eu testei também a BMW X5, mas não gostei da frente do modelo novo.

Eu gostava da 2012, não sei porque mas não gosto da nova.

          Aqui nos EUA é incrível como se compra um carro. Pode ser 6 da tarde, como foi na segunda feira. Você senta na mesa, assina os papéis, consultam seu crédito, o branco aprova, você assina mais uns 25 papéis e a chave lhe é entregue e você sai dirigindo o carro 2 horas após ter entrado na loja, com a placa de papel. Ou no meu caso, a placa que foi desparafusada do Volvo. Aliás, fiquei triste de entregar o Volvo. Sempre quis ter aquele carro e se pudesse, deixava ele na garagem paradinho, só pra passear de vez em quando. Eu sou assim, às vezes dou vida a coisas inanimadas. Aliás foi difícil conseguir o financiamento no meu nome porque eu tenho cartões de crédito, mas não uso. Meu Crédito Score é 768, mas eu não tenho dívidas então o banco estava com receio de emprestar pra mim. Tudo que eu compro, compro com dinheiro. Tenho 6 cartões (4 do Brasil e 2 daqui), todos vazios. No final o Robert co-signed comigo (assinou a dívida) e o vendedor me disse que em 8 meses, não encontrarei problema nenhum pra comprar o que eu quiser parcelado. Aqui é assim, você tem que ter dívidas e pagar direitinho pra conseguir um financiamento de um carro ou uma casa. O carro custou 58 mil dólares + impostos, financiado em 60 meses, sem entrada (só a diferença do Volvo) com juros de 2,65% ao ano. Pensar que no Brasil custa 340 mil reais? What??

Deixando meu baby na concessionária, não sei por quê
mas foi de cortar o coração
          O Robert colocou no Facebook a foto do carro e eu recebi N mensagens de "parabéns" você merece! Você conseguiu! E etc. Beleza. Mas gente, é só um carro, nada mais?! O Sucesso na vida tem que ser medido não pelo que a gente consegue com coisas materiais. Eu considero sucesso ter conseguido terminar a faculdade, ter conseguido minha residência, etc Mesmo porque, se amanhã um caminhão passar por cima do carro, desde que não aconteça nada comigo, não perco um minuto do meu sono por ele. É um instrumento de trabalho. Um "agrado" para os clientes. Um aliado para o Design e Decoração e um escravo para servir à minha família e amigos. E por falar nisso, ele é o escravo não eu. Desde há muito tempo eu não sou escravo de carro, emprego ou sequer de dívidas. Não devia ser assim? Essas coisas têm que servir a gente e não o contrário. E daí que é o mesmo carro que a Ivete Sangalo tem no Brasil? Aqui também é considerado um carro caro, mas no alcance da classe média.

          No final das contas eu sou a mesma pessoa. Hoje quando o Humberto orou sobre o carro e pediu a Deus que me proteja da inveja, fiquei muito contente pelo gesto. Pensei também que pode ser mesmo que alguém sinta inveja. Mas saiba este que nem sempre foi assim. Há menos de 4 anos estava lá eu limpando casas, fazendo faxina mesmo...para pagar os estudos, livros e gasolina. Pintei apartamentos também e arranquei papel de parede. Quase morria de ataque das minhas alergias. Passava semanas com poucos dólares na carteira. 

Comprei branco pelo fato do calor da Flórida 



Há menos de 4 anos eu ralei...ralei mesmo...mas mesmo
andando de Q7, continuo sendo a mesma pessoa.

sábado, 4 de outubro de 2014

Investir em Orlando


         É sempre assim, semana de entrega de propriedades de reforma e ou Design e Decoração eu perco o sono no meio da noite. Ansiedade? Definitivamente. Mas é uma ansiedade boa. Estou ansioso para ver o apartamento dos meus clientes prontos antes da chegada deles na Segunda-feira. Foram 3 meses de reforma de um apartamento comprado por eles, que pertencia a um banco. Depois dos últimos detalhes, colocarei aqui no blog a reforma, do começo ao fim. Mas antes gostaria de falar um pouco sobre os imóveis e sobre os preços dos imóveis em Orlando, onde trabalho de corretor e designer.


            Eu não sei qual é a propaganda que o governo brasileiro faz dos EUA no Brasil, mas acredite, os EUA não está "quebrado" ou "falido" e as coisas aqui não custam mais "preço de bananas" como aconteceu logo após a crise de 2008. Em 2008, como toda pessoa informada sabe, os EUA passaram por uma crise igual ou talvez pior que a de 1929 (eu acredito que a de 1929 foi pior). Todos os setores da economia sofreram. Eu, que sou bom de ver o bonde passar (porque muita gente nem sequer vê), aproveitei a oportunidade e vim pra cá em 2009. Naquela época, o dólar era baixo (1,60!!) e eu consegui pagar boa parte da minha faculdade, comprar carro, etc.

            No entanto, não pude subir no bonde propriamente dizendo. Como assim? Se eu tivesse tido dinheiro para investir naquela época, hoje estaria milionário e porque? Porque os imóveis chegaram a custar 30% dos valores de 2007. Uau!? Sim...e quem conseguiu "enxergar", e tinha dinheiro (não era o meu caso) comprou e se deu bem, aliás, se deu MUITO bem. Os que ficaram com a moeda "enterrada" com medo de gastar ou perder, hoje têm a moeda (ou não?), mas aqueles que investiram tiveram suas moedas multiplicadas assim como o milagre da multiplicação dos pães.

            E agora ainda dá? Sim, ainda é um bom negócio em vista dos baixos valores e das perspectivas de recuperação à frente. Mas os valores dos imóveis subiram desde 2011, onde houve a maior baixa.



            O fato é que eu recebo MUITOS emails todos dias de clientes interessados em comprar um imóvel em Orlando. Hoje mesmo olhei na caixa de emails. Em um mês, foram 1041 emails! Sem contar os salvos nas pastas de clientes. Quase a metade deles são de prospectivos clientes que desejam adquirir algo entre 40-80 mil dólares para "investimento". Estes aprenderam como pesquisar os imóveis em sites americanos e até me enviam os links dos imóveis que gostariam de investir. Cada vez que eu vejo estes imóveis minha testa se franze e por quê?

                Quando vemos imóveis muito baratos, seja no Brasil ou nos EUA é preciso ter cautela. Pergunte-se "Porque este imóvel custa tão barato? Onde se encontra um imóvel de 50 mil reais hoje em São Paulo, por exemplo? Segundo o que eu sei, talvez em uma favela ou uma periferia perigosa. Quem pensaria em comprar um imóvel assim no Brasil "para investimento"? Acha que poderia ter um bom inquilino comprando um imóvel destes? Aqui não é muito diferente. Há corretores brasileiros na cidade que venderão esses imóveis dizendo que são ótimos em ótimas localizações, mas querido leitor, isso é MEN-TI-RA. Um imóvel de 50 mil em Orlando é em uma área de extrema pobreza e perigosa. Que tipo de inquilino aluga uma casa assim em um lugar assim? Geralmente alguém que tem péssimo histórico de crédito, talvez nem emprego tenha e pode possuir um monte de filhos. Qual a probabilidade deste cliente ficar inadimplente? Qual a probabilidade de um juiz colocar ele com as crianças na rua por falta de pagamento do aluguel de um imóvel que pertence a um "investidor" estrangeiro? Aí o investimento se torna uma grande dor de cabeças...

Este complexo de apartamentos aparentemente agradável tem
apartamentos à venda por USD 60,000.00
No entanto, mês passado, 17 carros neste local foram arrombados 
em apenas um final de semana!
            Em 2011, o ano em que imóveis chegaram ao máximo da desvalorização era possível comprar um bom imóvel por 100 mil dólares em um lugar razoável. Uma casa de 3 quartos, 2 banheiros, 2 garagens e até uma piscina em um bairro seguro, residencial de classe média americana. No entanto, hoje, quase 3 anos depois, este mesmo imóvel custa 200-250 mil dólares. Desde 2011 houve uma recuperação do mercado. E esta recuperação veio a cavalo, ou seja, mais rápido do que todos esperavam. É preciso contratar um corretor que saiba o que está vendendo e que realmente se importe com o cliente, pois há, acredite, aqueles que só pensam na comissão.

            Aliás, lembro de ver o Obama na televisão dizendo que o mercado demoraria 10 anos para se recuperar e não é que ele estava certo? Até 2017 é prevista uma recuperação de mais 30% do valor dos imóveis e neste ano, os imóveis custarão praticamente a mesma coisa que custavam em 2007. Por isso, ainda é uma boa hora para investir. Se alguém tem os recursos, mas está "pensando" em investir daqui 1 ou 2 anos nos EUA, saiba que comprará algo 20% inferior do que compraria hoje com o mesmo dinheiro ou gastará 20% a mais para adquirir o mesmo imóvel (multiplicado por 2,50 ou até mais...).

Veja que em 2013 os imóveis subiram 9.83%
Este artigo aqui mostra que em 2017 os valores de antes
da crise serão provavelmente atingidos

            Outro desejo dos prospectivos clientes brasileiros é comprar um imóvel por 100 mil em um bairro com boas escolas. Isso é quase impossível e vou explicar o por quê. Cinquenta e um por cento (51%) do IPTU nos EUA vai para a escola do bairro. Não é possível morar em um bairro e colocar os filhos na escola do bairro melhor. Portanto, escola pública nota A tem em bairros nota A que não possuem casas de 50-100 mil. Casas de 100 mil dólares encontramos em bairros C e D que tem escolas C e D. Há possibilidade, no entanto, de encontrar uma casa de 160-220 mil em um bairro que tenha escola B, por exemplo.

            Dito isso eu ainda preciso salientar porém que já fiz 3 vendas menores de 100 mil somente este ano. Estes foram apartamentos em condomínios de locação de temporada, sem portaria. Em Kissimmee, cidade colada na Disney, há condomínios de apartamentos ou casas geminadas mais simples, de aproximadamente 20 anos de idade, feitos inteiramente de madeira, cujas diárias são inferiores a 100 dólares e que custam menos que 100 mil dólares. Mesmo assim, é preciso gastar algum dinheiro para trocar carpetes, colchões, mandar pintar e fazer alguns reparos antes de poder alugar. Em média, meus clientes gastaram 15 mil dólares para prepará-los para locação.

Quando a Denise me procurou querendo comprar um imóvel de 40 mil
precisaram algumas fotos para convencê-la que imóveis neste valor
eram muito ruins. Depois de aumentarmos o orçamento
eu encontrei este "condo" para ela em Kissimme anunciado por 96 mil.

Esta era uma foto do apartamento anunciado antes de ela reformá-lo

O apartamento depois da reforma e decoração da própria Denise.
Parabéns Denise! O imóvel já está anunciado para locação aqui
no blog. Ele fica no condominio Villas at Somerset Kissimme




Foreclosures e Short Sales

            "E as Foreclosures e Short Sale Renato, são boas coisas mesmo"? Primeiro vamos explicar o que é Foreclosure e Short Sale. Foreclosure é quando o proprietário não conseguiu cumprir com os pagamentos e o emprestador (geralmente banco), toma posse do imóvel e o revende. Short Sale é quando o banco e o proprietário entram em um acordo para vender a propriedade rapidamente por um menor valor para evitar que o imóvel entre em Foreclosure. Geralmente, um processo de compra por Short Sale, pode demorar 6 meses pois o proprietário não está totalmente quebrado e ainda vai tentar não perder o imóvel. É o pior tipo de compra, porque durante todo este tempo que se espera, perde-se outras oportunidades, os preços sobem e muitas vezes o proprietário se recupera, começa a pagar as prestações atrasadas e o imóvel sai do Short Sale.

            E Foreclosure, é bom negócio? Sim e não...Vamos fazer uma comparação. Como é o estado de um imóvel tomado pelo banco no Brasil? Geralmente as pessoas depredam o imóvel certo? O imóvel ficou fechado muito tempo, é preciso uma boa reforma. Gente...aqui é a mesma coisa! Principalmente na Flórida onde a humidade é 90% alguns desses imóveis ficaram 1 ou 2 anos com o ar condicionado desligado. Sabe o que isso significa? Se o ar condicionado voltar a funcionar (Deus ajude!), ainda é preciso trocar carpetes e às vezes, até mesmo o drywall de todas as paredes, pois os drywall  tem camadas que "afofam" devido a alta humidade. A água do ar é absorvida pelo drywall. O mofo se prolifera por todo o lugar. Isso se o proprietário não depredou o imóvel antes de sair...

Imóveis Foreclosure
Algumas das coisas que os proprietários fazem nos imóveis
antes de serem despejados...


            Um imóvel vendido pelo banco sai barato mesmo. Mas é preciso gastar para que ele fique habitável. Pode ser que ele, no final, saia um pouco mais barato do que um no mesmo local em boas condições, mas não há milagre e sim, muita dor de cabeça. Os bancos tentarão minimizar ao máximo suas perdas e a conta é a seguinte:

            Valor do Foreclosure = (Valor de mercado - Valor da reforma) x 90%

            Então, uma casa que tem valor de mercado 300 mil, a reforma custará 80 mil, o banco quer vender por 220 mil. Multiplicado por 90% (10% de desconto para atrair compradores) dá 198 mil. Aí o comprador pensa que está adquirindo um imóvel de 300 mil por 198 mil. Mas quando o reformar, este pode chegar a 278 dando assim uma economia de 22 mil. Se tudo correr muito bem. Se nada grave for descoberto. Afinal quem já fez reforma sabe que planeja-se gastar X e termina-se com 1,5x ou 2x.

            Quem geralmente procura imóveis assim são pessoas que desejam comprar uma casa nova mas não gostam dos acabamentos e da planta das casas disponíveis em bom estado no mercado. Compra uma de Foreclosure, onde o valor da reforma já foi descontado e daí faz a casa à sua maneira, com a sua cara, com os acabamentos que escolher. Isto não é possível se fazer com um imóvel que já está no valor do mercado, porque se, gastar ainda com reforma, depois não o venderá pelo preço de mercado + a reforma.  

            Este é exatamente o caso dos meus clientes atuais. Eles adquiriram o apartamento que foi tomado pelo banco por falta de pagamento. O apartamento estava 60-70 mil abaixo do valor de outros em bom estado no mesmo condomínio. No entanto, o antigo proprietário, ao sair, jogou água nos carpetes, sabotou o ar condicionado, levou portas aleatórias dos gabinetes de cozinha e banheiros, os ventiladores de banheiros, maçanetas das portas e até mesmos os controles (ou maçanetas) dos misturadores dos chuveiros. Quando entrei pela primeira vez, tive que sair rapidamente pois tive um surto por causa das minhas alergias. No entanto, meus clientes viram o potencial e sabiam que iriam gastar, mas que o imóvel ficaria exatamente como eles queriam e ainda melhor dos que os disponíveis no mercado. Me contataram, contrataram e durante 3 meses eu trabalhei na reforma e decoração do apartamento, que agora, parece novo. Acrescentando-se o valor da reforma o apartamento ainda sai mais barato que os à venda atualmente, sendo que este agora tem acabamento superior, então vale mais. O apartamento ficou impecável e está em um dos melhores condomínios de Orlando, o Reunion. Em breve, será anunciado no blog pois o casal pretende alugar para temporada também.

O apartamento na primeira vez que entrei. O antigo proprietário fez o que pôde... 
Para fabricar estas portas sob medida sem ter que trocar tudo novamente
deu um trabalho...
            Finalizando este post gostaria de salientar que, comparado com o Brasil, o investimento nos EUA ainda é muito melhor devido aos valores e às possibilidades de valorização nos próximos 3 anos. Com 200-400 mil dólares compra-se imóveis aqui que custam 2-5 milhões no Brasil. E neste valor o brasileiro pode financiar até 65% do imóvel com juros simples de 3-5% ao ano, dependendo do cadastro. Imóveis inferiores a 170 mil dólares têm de ser adquiridos à vista. 

            Se alguém tem desejo de investir em Orlando, no momento o melhor investimento são os imóveis de aluguel de temporada onde o lucro líquido pode ultrapassar 10% do valor do imóvel, por ano. Mas se alguém não desejar alugar o imóvel, mesmo assim, os ganhos com a valorização dos mesmos são promissores!
Se estiver interessado, envie um email para mim, ficarei feliz em ajudar. Grande abraço!

renato@drimproperties.com






domingo, 14 de setembro de 2014

Diferentes Maneiras de Comer Ovos nos EUA



            Ovo é o meu alimento preferido. Pode ser cozido, frito, em forma de omelete, quiche, o que for. Só não como crú, mas conheço gente que come. E pelo que me parece, os americanos compartilham comigo esta preferência, haja visto a quantidade de pratos com ovos nos restaurantes, principalmente os que servem café da manhã.

            Hoje fomos ao First Watch tomar café da manhã pois tínhamos visitas em casa e a Louise queria mostrar a elas que ótima opção para café da manhã aos Sábados ou Domingos é este restaurante. É claro que ele abre a semana inteira, mas poucos têm tempo para ir lá, sentar e esperar pelo café da manhã. Geralmente o americano comum toma o café da manhã em casa mesmo. Nos finais de semana aí sim vai aos restaurantes como Perkins, First Watch e outros. Até Mc Donald's vale para os que não tem dinheiro para gastar tanto.

            Uma coisa que sempre me incomoda é que quando peço alguma coisa com ovos sempre vem a pergunta: "How would you like your eggs?"(como você quer que seus ovos sejam preparados?). Daí cada um solta um jeito diferente e tudo o que eles falam não faz o menor sentido, pois estas expressões dificilmente estão nos livros de inglês que estudamos no Brasil. "Sunny Side Up??" Sol do lado de cima...Meu Deus, o que é isso?

            Então hoje comecei a perguntar a eles quais as maneiras de comer ovos que cada um conhecia e fiz uma lista de 8. Geralmente estas 8 são de café da manhã. Mas se você pensar em omeletes, deviled eggs, etc, esta lista pode chegar perto dos 20. Assim se você memorizar a sua preferida não fica com cara de incógnita quando o garçon ou garçonete te perguntar no restaurente. Aí vai a lista:

1- Hard Boiled (cozido com gema dura - pronúncia: rard bóield)




2- Soft Boiled (cozido com gema mole - sóft bóield)


3- Scrambled Eggs (mexidos - scrâmbold)



4- Poached Eggs (cozidos em água - pôlchtt)




Os famosos eggs benedicts que os brasileiros gostam
são poached eggs com um molho especial, geralmente
servidos com English Muffins.
no First Watch tem!

5- Fried (frito - fráid)



6- Over easy (frito, com gema mole. Vira-se uma vez na frigideira por poucos segundos)




7- Over hard (frito, com gema dura. Vira-se uma vez na frigideira por mais tempo)


8- Sunny Side Up (com as gemas moles amarelo sol brilhante sem virar - Sâni saide âp)




         Há também diferentes tipos de pedir as batatas que vêm com os ovos nos cafés da manhã americanos:

1- Fresh Seasoned (fritas em cubinhos - frésh sêsand)



2- Hash Brown (passada no ralador e dourada em frigideira - résh bráum)


Esse eu vou tentar, é feito na assadeira de muffins

3- Baked (batata assada - pronúncia - beiktt)



            Julia Child ensinou uma geração de americanos a cozinhar. Com ela aprendi a fazer este omelete que eu chamo de "sacudido" pois sacode-se a frigideira. Por dentro ele fica suculento, macio, úmido e delicioso! Bom apetite!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...