segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Design de um Apartamento em Nova Iorque

          Em 2011, quando eu ainda estava na faculdade, fiquei imaginando como seria viajar para projetar uma residência em outro estado ou até em outro país. Em seguida eu pensei, "puxa, vai demorar muitos anos para isso acontecer, se é que isso um dia irá acontecer". E não é que aconteceu? Um cliente de cada vez, uma indicação atrás da outra e esses clientes brasileiros, dos quais eu já projetei e decorei 2 imóveis em Orlando, me chamaram para decorar o apartamento deles em Nova Iorque. 

           Mas alguém que lê um post como este pouco sabe do árduo caminho até aqui. Não é sem uma boa dose de sangue, suor e lágrimas, que se consegue cursar uma faculdade no exterior, em outra língua, trabalhando em empregos informais (detesto o termo sub-emprego, pois aqui todo trabalho é trabalho, seja qual for), como limpeza, pintura, motorista, babá, arrancador de papel de parede e outros, e ainda por cima, arrumar tempo para assistir às aulas, estudar para exames, ler textos técnicos, fazer trabalhos, preparar apresentações e ainda cuidar da vida, já que nos EUA, cada um lava e passa a própria roupa suja. Na verdade, pouca gente passa roupa nos EUA, mas isso é outra história. 

               É preciso ralar e ralar muito se quiser vencer no país dos outros. Se alguém não gosta de trabalhar ou estudar no Brasil, aqui não vai chegar muito longe. Mesmo os alunos americanos na faculdade que não faziam os trabalhos, não estudavam para as provas e em seus Facebooks estavam sempre em festas nos finais de semana, a maioria que eu conheço, nem mesmo está trabalhando na área. Ou está desempregado ou trabalhando em lanchonetes ou algo do gênero. 

             Mesmo hoje aqui em Nova Iorque, em um hotel com todas as despesas pagas, a vida de Designer de Interiores não é glamourosa como possa parecer nos programas da HGTV. Nova Iorque é fria no inverno. Sob temperaturas negativas, neve e chuva, andamos kms todos os dias atrás de coisas, compras, entra e sai de taxis com sacolas e depois passamos o resto do dia no apartamento cheio de caixas ainda por desembalar. Mas é gratificante. A cada cômodo terminado, o sorriso dos proprietários nos dá um senso de satisfação e dever cumprido. É muito bom quando seu trabalho faz a vida das pessoas mais segura, confortável e bela, por causa dos interiores que criamos. Afinal o lar é lugar onde passamos a maior parte da nossa vida nesse planeta, então tem que ser um local prazeroso.

Passamos boa parte do tempo ajudando os clientes amigos a
desempacotar

                Meus clientes foram transferidos para trabalhar em Manhattan e desde que receberam a notícia, entraram em contato para que eu pudesse ajudá-los no design do apartamento. Quase toda a mobília foi trazida do Brasil, junto com as roupas e objetos pessoais. Quando chegamos no apartamento, a primeira coisa que fiz foi desenhar e tirar as medidas do apartamento. Depois disso começamos a desempacotar as caixas e separar todos os quadros, acessórios e objetos de decoração que a família adquiriu durante a vida toda e trouxeram aos EUA. Segundo eles, muita coisa foi parar no lixo, mas olhando a quantidade de coisas, é difícil acreditar :-) . 


É essencial medir as paredes antes de ir à loja de móveis ok?? ;-)

Separando o que o cliente trouxe do Brasil já começamos a
montar uma colagem no chão que transferimos para a parede
aonde vai o sofá maior da família

Os quadros com fotos do proprietário foram então transferidos para a parede.


                Hoje é o quinto dia dos 9 que passaremos em Nova Iorque. Os dias de trabalho são de, pelo menos, 9 horas com uma pausa para almoço. Muitas idas e vindas a LOWES e outras lojas de departamentos, debaixo de chuva, neve, vento para comprar diversas coisas, desde parafusos a almofadas. Mas o apartamento está saindo. É um desafio conciliar as peças já existentes trazidas do Brasil com o "look" Novaiorquino que pretendemos dar ao apartamento. 


Debaixo de chuva às vezes paramos por 5 minutos
pois não é pouco o que se anda nessa cidade. 

                  E como é a primeira vez que venho a Nova Iorque a trabalho (vim outras 4 vezes a passeio), reparei em várias coisas que nunca tinha percebido quando aqui estava a turismo. E para quem gosta de saber sobre curiosidades aí vai algumas:

- Novaiorquino anda rápido, mal fala ou olha pra alguém na rua. 

- As pessoas fazem tudo na rua (ou fora de casa). Trabalham (é claro), comem, lavam suas roupas, se encontram com amigos, etc. Quase ninguém cozinha em casa, lava roupa em casa, etc. No prédio do cliente, um homem saiu com umas roupas sujas nas mãos, sem sacolas mesmo e levou à lavanderia no outro lado da rua.

- Nova Iorque é a cidade que mais tem cachorros por habitante. O que tem de gente passeando com cachorro não está escrito nos gibis. E, a grande maioria, muito bem tratados. Dá pra perceber que os Novaiorquinos amam seus cães e há uns bem grandes que vivem em apartamentos e passeiam com os donos 3 a 4 vezes por dia. 

Cachorros grandes moram com os pais dentro de apartamentos
Caminham de 3 a 4 vezes por dia
E pra quem pensa que é judiação ter cachorro em apartamento, é  muito pior
deixá-los no quintal sozinhos expostos às intempéries.
Só depois que vim morar nos EUA percebi como nós brasileiros somos egoístas
e maldosos com estes animais. Queremos tê-los, mas os deixamos fora de casa.
Agora os meus só ficam dentro de casa. O americano em geral tem paixão
por animais de estimação e cuida deles muito melhor que nós.
Desculpe o desabafo...
#prontofalei

- Novaiorquino é corajoso. Debaixo de uma neve e ventos fortes as ruas estavam lotadas de gente andando rápido, trabalhando, sem se importar com o tempo. Sempre andando apressado com uma mochila e um copo de café em uma das mãos. Veja a neve e o vento forte que enfrentamos para ir comprar parafusos :-)

video


- Nos taxis de Nova Iorque pode se pagar com cartão de crédito, sem senha, sem assinatura e ainda há a tecla para o "tip" (gorgeta) entre 20, 25 e 30%, que, uma vez escolhida, é adicionada ao valor da corrida. Se quiser recibo, o motorista imprime na hora.



- Andar de taxi em Nova Iorque é relativamente barato. Da Lowes até o apartamento que são umas 10 quadras, a corrida sai, com a gorgeta, por volta de 7 dólares. 

- Os assentos em cafés e restaurantes não são muitos, pois as pessoas pegam o que precisam e vão para a rua. 

- Escuta-se línguas estrangeiras a cada minuto que se anda na rua. 

- Se alguém levantar uma sacola pra você vai pedir uma gorgeta. Aqui ninguém faz nada de graça.

- A cidade está constantemente em obras. Houve-se som de sirenes ambulância, polícia e buzinadas a todo o momento. 



Mesmo assim é linda no inverno
- Não sei porque, mas alguns prédios de escritórios ficam com as luzes acesas a noite inteira.

- Há um Starbucks em cada esquina.

- Nos prédios, em todos os que entramos, inclusive no nosso hotel e no prédio do cliente, não há o andar número 13. Supersticão pura!

- As ruas são sujas, muita lixo se acumula nas calçadas.

- Há muitas lojas de pizza na cidade. A pizza de Nova Iorque é muito melhor do que a da Flórida. 

- Metade de todas as pessoas nas ruas estão olhando para o seu telefone. Ninguém tem medo de que ele seja, subitamente, arrancado das suas mãos.   

           Por enquanto ainda não temos muitos cômodos prontos, ainda há muito trabalho a fazer, mas deixo aqui algumas fotos. Uma vez o apartamento pronto, eu colocarei as fotos no blog. 

Um abraço a todos!!
                
O primeiro cômodo completamente terminado, o escritório/guest bedroom
Objetos e acessórios todos trazidos do Brazil 


domingo, 3 de janeiro de 2016

Patinando no Gelo em Kissimmee

         


              Pra quem não sabe eu patino muito bem, obrigado. Era o que eu pensava até a sexta-feira passada. Na adolescência joguei Hockey sobre patins, fiz patinação artistica no Ibirapuera em São Paulo quando uma lesão no pé, provocado por um mega tombo durante um salto, me tirou definitivamente do "esporte de idiota" como dizia o meu pai :/

          Desde o filme Xanadu, quando a febre dos patins invadiu o Brasil, eu e meus irmãos patinávamos aonde quer que fôssemos. Até ao supermercado. Adorávamos nos exibir na pequena cidade de Cerqueira César, interior de São Paulo. Mas patinar no gelo é OUTRA coisa, outra dimensão. Por mais que saiba-se patinar sobre rodas, no gelo é um pouco diferente. Sem falar que depois de 20 anos sem colocar um par de patins nos pés, a última coisa que eu devia ter é "confidence" (segurança de que eu dou conta). De cara, assim que pisei na pista já fui de cara ao chão. Depois de 2 horas patinando, 4 tombos fantásticos, já estava melhor que 95% das pessoas que estavam patinando alí, mas nem sequer 50% do que eu costumava patinar. Vou ter que tentar novamente. Mas agora estou decidido a comprar um par de patins. É um exercício muito prazeroso.

                É um programa muito legal. Barato também. São 10 dólares para entrar, 5 pelos patins e fica-se o quanto quiser. Conselho: Leve casaco, gorro, luvas, etc. Embora do lado de fora estivesse 28 graus Celsius, lá dentro se estava 9 era muito. É realmente muito frio. Mas a pista é enorme! Afinal, os jogos de Hockey no gelo são disputados alí. Há também um metal que desliza no gelo que pode ser usado para as crianças que estão aprendendo. Cada tombo era um flash!

Esqueça armários, com fichas, etc. Todo mundo joga o seu sapato ou tênis no
chão e ninguém pega o sapato de ninguém!

Minha cunhada Gislaine, meu irmão Alexandre e sobrinho Guiliano

A pista é enorme!



Eu e meu sobrinho Gabriel

O ferro que ajuda as crianças que estão aprendendo

O melhor é o de Hockey (direita), mas é a
minha opinião ok? Pode-se provar todos!

Pode ir com fome que tem Pizza, cachorro quente, salgadinho, etc
Informações no Website http://www.icefactory.com/

         Pesquisando na Internet, descobri que não há bons patins de gelo para vender em lojas. Tem-se que comprar pela internet. Mas como na semana que vem vamos a Nova Iorque, vou comprar em uma loja no West Side para patinar na pista do Central Park. Aguarde por mais tombos. Nova Iorque aí vou eu!!

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Reforma do Escritório

            Há aproximadamente 4 anos nós demos uma repaginada no escritório daqui de casa. Era péssimo e ficou "arrumadinho". Esses termos "bonitinho", "arrumadinho", etc nós já sabemos bem o que significa. Não é feio, mas bonito também não é. Pra sair da categoria bonitinho pra categoria lindo exige, em primeiro lugar disposição, depois inspiração, além de dinheiro, é claro. Também tempo e alguns comprimidos de Benadryl (anti-alérgico comum vendido nos EUA), porque no final é uma guerra contra a uma poeira maldita!


O escritório era assim quando eu cheguei

Depois ficou assim "arrumadinho"
Não me deixaram jogar os quadros fora... :/



               O ser humano ajunta tralha, fala a verdade? Quando se começa a tirar as coisas das gavetas, das pratileiras, dos closetes, parace areia da praia. O volume se multiplica. A gente olha para as coisas, quer jogar fora mas tem medo de precisar. Eu contei 16 carregadores de não sei o quê, talvez velhos telefones, aparelhos, etc, mais de 100 canetas e por aí vai. Sem dó, nem compaixão (porque às vezes eu tenho dó de objetos, eu sei :/ ), separei umas caixas de papelão e foi TUDO para o lixo. Afinal, "clutter" (tralha) atrasa a vida. Acredite, até no Feng Shui isso é explicado. Eu acredito que atrasa a vida sim, mas o que me incomoda é visualmente e também o pó que coleta. Difícil de limpar. 

                 Aqui em casa eu tenho algumas caixas que são pré-lixo. Essa "coisarada" fica lá por um tempo. Se eu não usar em 1 ou 2 meses aí vai para o lixo definitivamente (tem que jogar de olho fechado). O problema em se guardar tanta coisa é que, quando se precisa, sequer lembramos o que temos. Às vezes lembramos mas não sabemos onde está e acabamos comprando outro pois gasta-se menos energia do que procurar. O depósito da casa do meu pai é assim. Dá para encher um caminhão pois ele não joga nada fora, mas sempre que precisa de algo, como não sabe onde está, compra outro novo (que depois acaba indo para o depósito, ou como eu apelidei, para o "sumidouro"). Na psicologia isso tem nome, sabia? Eu hein?

                 Com o tempo, prateleiras foram adicionadas e logo logo o escritório ficou um caos de papéis, notes, livros, etc. Desde que terminei a faculdade, em 2013, nunca fizemos nada no escritório.

Parece casa de um Arquiteto de Interiores?
NÃÃÃOOOOO!!
A minha mesa é a da direita. Nem vem me criticar que essa semana
eu li que quem tem mesa bagunçada é inteligente
Rá!

                   Munido do sentimento "precisamos de poucas coisas para viver" fomos limpando e jogando fora. Algumas coisas foram direto para a lixeira. Os móveis foram comprados na Ikea. Gastamos USD 3,000.00 com os armários, luzes, mesas e gabinetes com gavetas e fichários. Incluídos nesse valor ainda estavam a entrega e a montagem (+ ou - 400.00). Acredite, não é possível alguém que não seja profissional instalar aqueles gabinetes nas paredes totalmente alinhados. Duas pessoas demoraram um dia inteiro montando e instalando os móveis. Além disso, para instalar as luzes e embutir os fios dentro do drywall, uma empresa cobrou USD 341,00. Nem tudo nos EUA é barato. Serviços são caros, ou como eu digo sempre a meus clientes, são "valorizados". 

Me diz como um construtor coloca um ponto de luz que não é no
centro do teto??? Pra quem tem TOC como eu isso faz
mal pra saúde.

Dia da instalação, pessoal da Ikea. Simpáticos Roberto e Nelson
Só para informação, tiramos o ventilador de teto.

A "tralha" em cima da mesa da sala de jantar.
E o gato alí ao lado, totalmente deslocado...
(o nome dele é puspus)

                 Agora algumas fotos do novo escritório. 


Alguns fios ainda precisam ser embutidos como pode-se ver na imagem.


Uma homenagem ao artista plástico brasileiro Gustavo Rosa que faleceu
o ano passado. Que Deus o tenha.

Móveis e molduras (quadros): Ikea
Acessórios: Hobby Lobby, Ross e Home Goods
Cortinas: Bed Bath and Beyond
Custo total do escritório: USD 3,691.00

           Agora uma conversa rápida, prometo. Ultimamente, tenho trabalhado de domingo a domingo. :-) Desde Outubro fizemos 5 casas e mais uma tem que ficar pronta até o dia 20. Por esse motivo fica difícil de postar no blog, mas prometo que assim que terminar, volto com as postagens. 

              O trabalho com design é extremamente cansativo. Há tanta coisa para dar errado e acredite, dá mesmo. São dias de 14 horas de trabalho, incontáveis idas e vindas em lojas, montagens, pinturas, etc. Às vezes, dá vontade de desistir. Principalmente quando um cliente acha que sabe mais que você que passou 4 anos estudando design em uma faculdade americana. Acredite, todo mundo acha que tem bom gosto e adora decoração, mas pouca gente consegue colocar tudo junto em um pacote só. Aliás, é por isso que se vai estudar. Há muita técnica e teoria por trás de cada pedaço de uma casa que se decora. E custa dinheiro! Os clientes vêm aos EUA, compram casas de 400, 500 mil depois querem fazer milagre com 30 mil dólares. Não existe milagre. Pra ter um "WOW" tem que ter $$$. Se não tem dinheiro suficiente para decorar a casa, compre uma propriedade mais barata. Bem decorada, a casa de veraneio aluga o ano inteiro. Às vezes, o processo é bem estressante. 

           No entanto, eu faço porque gosto. E o resultado final sempre me alegra. No começo da faculdade eu achava que deveria estudar alguma coisa em que eu trabalhasse para deixar o mundo melhor. Hoje eu reconheço que um lar seguro, confortável e bonito, melhora a qualidade de vida das pessoas. Por isso eu vou, de cômodo em cômodo, transformando a vida das pessoas e quem sabe, o mundo inteiro. :-)
Abração!



                     

                    


sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Entrevista para o canal 78 Centavos

          Na era do Youtube, muitas pessoas encontram respostas às suas perguntas com ajuda de vídeos como este. O Rodrigo do 78 Centavos entrou em contato comigo anos atrás com o desejo de vir morar nos EUA. Hoje ele mora em Orlando e me convidou para falar um pouco sobre estudar nos EUA. Espero que gostem e também que ajude alguém que, assim como ele tinha dúvidas e o desejo de estudar em outro país. Grande abraço!




sábado, 17 de outubro de 2015

Revitalização de um Apto para Locação em Orlando




          Esqueça os "Irmãos à Obra", conhecido aqui nos EUA como "Property Brothers". Nem tudo é fácil como se mostra em programas de reforma e decoração na TV. A realdidade é que envolve muito, muito trabalho. Muita coisa dá errado e é preciso ter conhecimento, experiência e jogo de cintura para um projeto sair do rascunho e se tornar realidade. Como alguns sabem, eu sou proprietário da Studio R Interior Design Inc. A minha empresa faz reformas e também decoração de residências em Orlando, FL. O nosso website ainda está em construção, mas em breve teremos todos os trabalhos em um só site para os clientes. 

              Em Agosto, o casal Fernando e Beatriz me procurou. Eles tinham acabado de adquirir um apartamento no Reunion para uso próprio e locação e queriam contratar os nossos serviços para revitalizar o imóvel. Em várias conversas por skype, decidimos a linha do design, estilo, orçamento, materiais, cores, etc. Começamos a obra em Agosto mesmo e terminamos na semana passada. Não terminamos antes por conta de uma mesa de centro que veio pelo correio danificada e tivemos que esperar mais 10 dias até que outra chegasse pelo correio. Coisas de reforma, sabe? Sem mais, vou deixá-los com as fotos do antes e depois. Um grande abraço a todos. 

No dia da mudança do antigo proprietário ele deixou-nos fotografar o
local. O Golden Retriever de 14 anos nem se incomodou. :-)
Carpete, cortinas, paredes amarelas, tudo tinha que ir embora...




Nos EUA tudo que está preso às paredes é do imóvel e não pode ser retirado
depois da visita do prospectivo comprador e assinatura do contrato.
Se quiser tirar cortinas, tem que anunciar com as fotos "sem as mesmas"
Uma vez anunciado tem que vender com elas.
Infelizmente esse design dos anos 90 tinha que ir também.
Tudo doado...



O proprietário deixou toda a mobília. Tentamos vender parte dela, mas quase tudo o casal
doou para entidades de caridade em Orlando.



Estantes como esta custam uma fortuna para mandar fazer
e na hora de revender ninguém quer.


Pintura em andamento, carpete retirado, a obra começou a
mostrar potencial.

Adeus amarelo...

O Gilberto da Fortal Construction LLC faz um trabalho perfeito também de carpintaria.
O piso laminado com acabamento nos rodapés existentes evitou um gasto desnecessário
e ficou muito bom.
Quem pensa que é fácil colocar laminado, passe um dia com o Gilberto...

O piso laminado é 100% melhor do que o carpete para locações.
Não risca e pode durar décadas...

Eu mesmo faço questão de comprar tudo, pois o design tem que sair
do jeito que eu idealizei.
Um imóvel como este é entregue "turn key solution"
O proprietário só entra com as malas no imóvel.
Tudo o que ele precisar para a temporada nos EUA estará lá
esperando por ele. Cada coisa em seu lugar.

Alguns móveis chegando...
Algumas vezes o trabalho se estende até tarde.
Mas quem faz o que gosta não trabalha nem um dia, certo?! ;-)

        Agora para vocês o resultado final 








































          O apartamento está localizado no condomínio Reunion Cabana CT, Kissimmee FL, 34747 e possui 3 suites em aproximadamente 180 metros quadrados. O casal disponibiliza o imóvel para locação de temporada quando não estiverem usando a propriedade. Para maiores informações entrar em contato com Fernando no fernandomoreno@uol.com.br

          Infelizmente a plataforma blogger diminui a resolução das fotos. Não se preocupem, logo o blog e a Studio R terão domínio próprio e isso não vai mais acontecer. 

Studio R Interior Design Inc

Se quiser me seguir no Instagram e ver outros projetos:
Instagram: renatosilveiroalves

Se quiser adquirir uma propriedade nos EUA como esta:

Um abraço a todos e STAY HAPPY!! 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...