segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Cross Dressing…quê??


    
            A primeira vez que ouvi o termo "Cross Dressing" foi quando estávamos assistindo o novo filme do Leonardo DiCaprio "J.Edgar" onde ele faz o papel do famoso diretor do FBI J. Edgar Hoover. Eu sabia que o filme era baseado na vida real do J. Edgar Hoover, mas fiquei intrigado quando vi o ator colocando a roupa da mãe. Perguntei: 
- "Isso é verdade??" Ao que me responderam: 
- "Sim ele fazia 'Cross Dressing'". 
- "Cross what? 
- "Cross Dressing, quando um homem se veste de mulher ou a mulher se veste de homem...é bem comum." 
- "O quê?...como assim é bem comum?"
            Depois do filme, é lógico, quis saber mais dessa história, principalmente qual era o conceito que o Robert e a Louise tinham sobre o assunto. Porque uma coisa é você abrir a wikipédia para ler e outra é você investigar qual é o conceito geral da população. Isso leva um certo tempo, porque tenho que perguntar para várias pessoas de vários círculos. E eu ouvi cada história...
            No filme J. Edgar, dá pra perceber que, embora o J. Edgar Hoover fosse durão e o homem que construiu o FBI como os americanos conhecem, ele era homossexual e teve um relacionamento amoroso com seu braço direito no Federal Bureau Investigation (FBI) até morrer.

J Edgar Hoover
Leonardo DiCaprio como J.E. Hoover
            A segunda vez que ouvi "Cross Dressing" foi na semana passada assistindo Discovery Investigation. Um médico americano estava sentado na cadeira de réu, acusado de matar a esposa. A promotoria logicamente, decididos a acabar com a imagem do doutor, colocaram no julgamento as fotos dele fazendo "Cross Dressing" (ou vestido de mulher). Ele foi condenado a prisão perpétua, mas enforcou-se na prisão depois de 9 anos de encarceramento. Acho que por causa do guarda-roupas limitado dos presidiários...será? 


Dr Richard Sharpe milionário condenado a
prisão perpétua.
            Segundo eles (americanos e segundo a wikipédia), existe uma diferença entre cross dressing, travesti, drag queen, transexual e outras denominações. Se quiser saber mesmo a diferença, vá lá na wikipédia e leia. Mas segundo o que eu li, quem faz Xdressing não necessariamente é homossexual. Xdressing pode ser feito por ambos os sexos e o comportamento é mais antigo do que se pensa. No entanto, os especialistas comportamentais (psicólogos e psiquiatras) dizem que há sim um problema psicológico por trás do comportamento. Por exemplo, no caso do médico citado, ele não era homossexual, porque se fosse, com certeza a promotoria teria jogado mais essa para acabar com imagem dele. Nunca teve um caso extra-conjugal. O tal doutor era casado há 27 anos e tinha essa prática do Xdressing. Matou a mulher porque ela estava se divorciando dele e já tinha arrumado um namorado. Segundo o que foi explicado, desde pequeno, o doutor e seus irmãos eram espancados pelo pai, menos a irmã. Vestir-se com as roupas da irmã desde pequeno, fazia com que ele se sentisse melhor, menos estrassado, com menos medo, etc. Comportamento que ele levou para vida adulta. Várias pessoas que admitem ser Cross Dressers contam que iniciaam a prática quando bem pequenos, antes mesmo de saberem o que era sexo.

Dr. Sharpe e o Xdressing
            Muitas esposas participam do Xdressing vestindo-se de homens. No entanto, muitas se ressentem do comportamento do marido o que causa conflito no casamento. De uma coisa eu sei. Se uma pessoa precisa se vestir de outra para sentir-se melhor, problema aí tem. E problema todo mundo tem, até você que está lendo este blog.
            O problema não é o fato de ser roupa de mulher ou roupa de homem, porque isso tudo é instituição da sociedade. Gregos e Romanos usavam saia no passado, não é? Mas sim pelo fato de a pessoa não estar contente consigo mesma, infeliz com sua aparência, com sua vida, talvez sua sexualidade ou a procura de excitamento. Enquanto eu não julgo ninguém nem coisa alguma, a não ser que faça mal a si mesmo, ao próximo ou aos animais, acredito que amar a si próprio, seja do jeito que for, é o melhor amor que alguém pode encontrar. 

Uma coisa que eu aprendi é que os tablóides mentem na cara dura!
É claro que o John Travolta estava brincando (assim como brasileiros no Carnaval se vestem de mulher)
 e não que ele seja praticante de Xdressing.
Americano também faz piada de tudo. Aqui, festa X Dressing.
             Por isso gosto muito dos ingleses. Quando estive na inglaterra percebi que lá a cor do seu cabelo, suas tatuagens, sua roupa e assim por diante, não fazem a menor diferença para o outro. Não seria bom viver em um mundo onde cada um faz o que quer com a aparência e não é julgado por isso? Infelizmente, a maioria daqueles que quebram as regras da sociedade hoje, também não estão isentos de motivos questionáveis para tal comportamento, como rebeldia, desejo de chocar, seduzir, etc. Como lá na faculdade tem curso de Fashion Design, frequentemente eu vejo homens de salto alto. No início fiquei chocado, intrigado pelo fato de ninguém ligar para o assunto e depois envergonhado porque afinal, é só um sapato. É triste pensar que uma pessoa não pode usar o que gosta ou o que se sente bem sem ser julgada por outras pessoas. 
            No final das contas, sempre haverá alguém querendo tivar vantagem do assunto. Há lojas de Xdressing em inúmeros lugares inclusive na internet. E você? Aceitaria que seu marido, sua esposa ou seu(ua) parceira praticasse o Cross Dressing? Talvez eu compre nessa semana uma roupa de cachorro "menino" para a Annabelle. Vou fazer Cross Dressing com ela e ela vai adorar a bagunça! J

Xdress.com


Se quiser ler mais sobre o assunto, eu achei um blog sobre Xdressing. O artigo é interessante, mas os comentários são o "real deal".

25 comentários:

  1. Olá Renato
    Eu não tenho a mínima vontade de me vestir de homem, e acho que meu marido ficaria horrível de mulher mas dá para aceitar, tem coisa pior...
    Um abraço
    Alessandra Haak

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk
      O engraçado é que li que mulheres vestidas de homens são sexis kkk
      Abs

      Excluir
  2. Oi Renato! Achei muito interessante a postagem de hoje, fiquei pensando que todos nós temos algum tipo de restrição ou preconceito em ralação ao outro. Ás vezes a gente acha que vai agir de um jeito e reage de outro. Se eu tivesse um marido que se vestisse de mulher eu me chocaria com certeza, mas isso é o que estou dizendo agora, se acontecesse seria bem possível que eu nem ligasse, ou me descabelasse, sei lá... vai entender...
    Se você fizer o tal de cross dressing com a Annabellle quero postagem e fotos hein?!...
    Abs Lana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lana
      É bem complicado e não há muita explicação disponível.
      Abração

      Excluir
  3. POst bem interessante Renato, só uma dúvida eu fiquei, é mesmo comum nos EUA essa prática, equal a opinião da sua host-family sobre isso, eles são conservadores ou moderninhos ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, para a maioria das pessoas que eu perguntei, elas responderam como se fosse uma coisa de gosto pessoal e que cada um faz o que gosta ou o que se sente feliz. No entanto não senti sinceridade, acho que é mais um medo de ser criticado e chamado de preconceituoso, radical etc. A minha conclusão é que, assim como no Brasil, tem pessoas que ligam e pessoas que não ligam. Mas aqui, as pessoas tomam muito cuidado para condenar o que quer que seja por medo de ser vítima de um processo.
      Abs

      Excluir
  4. Ei Rê, será que você anda querendo ficar adepto disso ! Cuidado viu !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O "anônimo"
      Cuidado com o quê? Se eu quisesse me vestir de mulher me vestia. Pelo contrário, estou muito satisfeito com o que eu sou.
      Cuidado você porque preconceito já não tem muito lugar na sociedade. A não ser que faça como você fez, anonimamente...

      Excluir
  5. Rá, aqui no Alabama a galera é bem preconceituosa e a resposta sobre Xdressing é outra (Ô lugar de gente de cabeça estreita, meu Pai!). Assim, se o meu marido fizesse, eu iria querer saber o motivo, o que aconteceu na vida dele, sabe, essa coisa de psicóloga. De qualquer forma, na nossa cultura a roupa faz a gente se sentir melhor, poderosa (o). Nada como um salto alto, unha pintada de vermelho, uma roupa bem cortada para eu me sentir a mulher mais poderosa e segura desse mundo (e eu não estou focando na questão sexual, por favor, sabe aquela entrevista de emprego? Pois então, é a sensação que eu posso conquistar o mundo. mesmo sabendo que em teoria a roupa não tem relação nenhuma com isso, na prática, pode ter).
    Lá em Montreal também era assim, tinha gente de cada jeito na rua e ninguém nem tchum. Casal de homessexual bem a vontade e ninguém nem tchum. Como eu acho que deve ser, porque né, a vida do outro só deve me interessar se tiver algum impacto na minha vida, né? Agora eu já tinha ouvido esse termo tempos atrás, você tá atrasado :)

    Ps: eu vou copiar seu post da faculdade, achei bem interessante, vou tentar tirar as fotos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahah sim estou atrasado mesmo, depois de 3 anos morando aqui que eu vou saber dessa história. Muito bom ler o comentário de uma psicóloga. Obrigado Lorna
      Abs

      Excluir
  6. è bom mesmo em renato!! Que post em,muito bom o blog,só que deveria postar mais coisa né,depois olha meu site la http://www.detetive-particular.com fis um de detetive do brasil inteiro,ta file o site...abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CARA, VC ME FEZ LEMBRAR DOS FILMES: O SILENCIO DOS INOCENTES E PSICOSE, COISA DE MALUCO,NESSE MUNDO NADA MAIS SURPREENDE, APENAS A CAPACIDADE DOS AMERICANOS DE POR NOME EM TUDO...CROSS DRESSING!!!
      ABS
      MARCIO

      Excluir
  7. Só pra acrescentar, aqui no brasil no ano passado quem deu o que falar foi o grande cartunista Laerte coutinho, que começou a fazer Cross-dressing e debater de frente a questão do preconceito. Ainda mais por seu um cara de grande conhecimento público, famoso, e além de tudo, já "velho". As entrevistas dele sobre o assunto são ótimas.

    http://www.youtube.com/watch?v=vNT6kWzloWM

    PS: ele ficou a cara do Sean Penn no filme:
    http://4.bp.blogspot.com/-uCdf0oT8suc/UFB0Voa6DjI/AAAAAAAAAKY/CYLEecjZkSY/s1600/this_must_be_the_place.jpg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa como é que eu perdi essa notícia!! lkkkkkkk
      Abs

      Excluir
  8. Oi Renato! Descobri seu blog através de pesquisas sobre brasileiros vivendo em outros países (para compreender os processos de adaptação e como cada um lida com isso, etc) e adorei! Leio aqui textos despretensiosos, perspectivas de uma pessoa de acordo com seus hábitos, crença e cultura particular.

    Sobre o cross dressing, é um conceito bem antigo pra mim pois morei em Brighton por um tempo e lá as pessoas realmente não têm "reação" sobre os comportamentos e atitudes dos outros, contando que não invada suas privacidades e cause danos. Apesar de ter convivido com pessoas de comportamentos bizarros mas todos mostram que aquilo que vejo é apenas uma parte da personalidade deles, podendo ter valores conservadores e vestir-se como um punk, por exemplo. Então após um tempo de conversas e convivência, eles se revelam pessoas extraordinárias, com tantas coisas para ensinar e infinitamente divertidas. Pode, claro, serem pessoas malucas de modo a trazer problemas mas geralmente esses "tipos" não são muito sociáveis e chegam a serem meio isolados.

    Sempre fui fascinada por sociedades onde todos usufruem dessa liberdade de se vestir como quiserem, ninguém repara mesmo. A única vez que saí de casa usando uma calça jeans colada pink, blusa de gola alta, casaco fluffy verde e me achando a "fashionista" do pedaço foi quando morei em Brighton! Hehehe.. Aqui no Brasil, a coisa muda de figura totalmente, chega ser bobo e maçante..

    Parabéns pelo blog! Greetings!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Marina
      Marina, eu vou no posto de gasolina de pijamas, entro dentro da conveniencia, pago a gasolina e NINGUEM olha pra minha cara. Ninguem esta nem ai pra vc. Adoro isso hehehehe
      No Brasil seria xingado no meio da rua!! Duvida??
      Bjs

      Excluir
  9. Ah, tá... Então sempre que o Pernalonga, Scooby e Salsicha se vestiam de mulher, era disso que se tratava... XD

    ResponderExcluir
  10. Acredito que era prática comum, o cross dressing, por parte do vocalista do Nirvana, Kurt Cobain.

    Link: https://www.youtube.com/watch?v=_VQWw2mLRKo

    ResponderExcluir
  11. Renato, que coisa doida! NUnca tinha ouvido falar nisso, eu hein! Assisti outro dia um programa chamado "My strange addiction", e lembrei dele quando li seu post. Nesse episódio que eu vi, mostrou a vida de um rapaz que se veste como uma bebê. Ele em casa dorme em berço, se veste com macacão de bebê (menina) e tudo. Chupra chupeta, toma leite na mamadeira...eu hein. Coisa louca. E ele disse que se veste assim para se sentir bem. Como vc disse, se uma pessoa precisava se vestir doida desse jeito para se sentir bem, o problem é sério.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tacia
      O ser humano é muito complicado não é?
      Gente...
      bjs

      Excluir
  12. Jorge Artur dos Santos25 de outubro de 2012 15:09

    Olá, Renato. Por aqui a coisa pegou fogo quando o cartunista Laerte aderiu à essa moda, digamos assim. E dá-lhe preconceito. Por exemplo:
    http://www.somdovialejo.com.br/wp-content/uploads/2012/01/laerte.jpg?9d7bd4

    Para você rir: minha irmã pentelha queria ter uma irmãzinha, e por isso me obrigava a usar roupas dela quando eu era criança. Isso não era cross-dressing, era sacanagem dela, mesmo!

    Um abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jorge
      Eu conheço várias pessoas que tiveram a mesma experiência. Até no American Idol teve um participante que mostraram uma foto dele com 4 anos vestido de menina e ele disse a mesma coisa. A irmã vestia ele porque queria uma irmazinha hehehe
      ABs!

      Excluir
  13. Pergunte à um psicológo e ele dirá que é normal, porque um psicológo é sempre um anormal

    ResponderExcluir

Etiqueta cai bem em qualquer lugar, até na internet. Seja educado ao comentar e perguntar. Olá..., meu nome é..., por favor e obrigado são palavras que ainda estão em uso e mostram cordialidade. Afinal, o blog não é balcão de informações de shopping e embora eu esclareça as dúvidas de todos de bom grado, não ganho nada para isso.
Obrigado por comentar e abração!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...